Crônicas

Não nos lembramos de dias, lembramo-nos de momentos.

Cesare Pavese

Te deixar ir … todos os dias

Te deixar ir… todos os dias, em todas horas, em todos os minutos, como se nunca, nunca, nunca estivesse estado aqui. Perceber-te em mim… todos os dias, em todas as horas, por todos os minutos e fingir, fingir, fingir que não estás, que não respiro o teu perfume, não sinto o teu toque, não salivo […]

Você merece alguém que nunca duvide de quem você é

Você merece alguém que nunca duvide de quem você é. E eu, aqui, lamento por não ser essa pessoa. Não ter conseguido, mesmo lutando com todas as minhas forças pra isso. Lamento as circunstâncias que nos levaram a encruzilhada em que não nos restam mais do que duas opções, onde estamos escolhendo, de um jeito […]

o querer

… eu precisei ter forças para desistir. Tanto quanto você teve impulso para sair daqui. É escolha! Todos dirão que foi uma escolha. A sua de partir. A minha de resistir a pesar dos espinhos ferindo tudo por dentro. Nunca foi sobre amor. Sempre foi sobre vontade de fazer dá certo. Se entendêssemos logo que […]

se puder, reescreva-me

…é, eu bem sei, faz tanto, tanto tempo! Tão longo lapso que deixamos-nos assim, tão de lado. Tão em segundo plano. Tão quando desse, quando fosse apropriado, quiçá, que fosse merecido. Tolice! Penso, inclusive, que é uma bela de uma desculpa frouxa! E toda desculpa é uma tremenda de uma covardia. Sim, temos sido covardes. […]

A tal da solidão

O meu coração finalmente está completamente desabitado. Não há mais saudade. Não há mais esperas. Não há mais aquela ansiedade por uma notificação na tela do celular. Já não há nada que afete a trilha sonora nas playlist do meu Spotify. Já não há nenhum motivo de alegria ou de desapontamento que me faça querer […]

a você, que ainda está por aí

Oi, amorUma vez, eu estava em um culto de jovens numa igreja pequena, e no meio de tantos ensinamentos de Deus que aquela jovem moça transmitia do púlpito, uma coisa ficou enraizada no meu coração por todos estes anos: que eu não precisava me preocupar em quem você seria, se você existia ou não, porque […]

tu deves ser admirável

Acho que agora entendo Clarice, quando disse que aquele coração estava vazio de si porque precisavas ser admirável. Eu também tenho precisado esvaziar o meu coração de mim para ser admirável ou algo próximo a isso. Não que eu ache verdadeiramente que essa seja a melhor saída, mas ao menos é uma saída, não é? […]

Eu ainda preciso sentir

Uma vez me disseram que eu tinha que sentir muito para me perceber viva. E uma parte de mim ainda acredita nisso. Por vezes eu preciso sentir o meu coração batendo tão forte a quase romper os tecidos que me vestem. Eu ainda preciso sentir o ar faltando por dentro. Eu ainda preciso sentir a […]

Em cada esquina

Quantos sins tem os meus nãos? Lembra da gente no começo? Era engraçado como as coisas fluíam como se sempre estivessem existidos para estar naquele exato balanço, no embalo daqueles dias. Os nossos dias, que por mais inconsistentes que pudessem ser, ainda assim eram nossos – todos nossos. Estávamos ali, um pelo o outro no […]

Permanência

Parei tudo o que tinha para fazer. Tem dias que é exatamente assim: acordo; levanto pela força das questões que são inadiáveis; abro uma frestinha da janela – a luz do dia tenta ganhar espaço no quarto escuro; visto o roupão; nunca penteio o cabelo; tomo uma xícara de café; não me esforço – pelo […]

ps.: o que eu não queria te dizer

Era por volta de três e alguma coisa da manhã. Uma daquelas noites que não tem remédio ou qualquer porcaria que me faça pegar no sono, você sabe! Então digitei, digitei, digitei infinitas vezes no corpo do e-mail na tela do meu celular “I miss you” e apaguei, apaguei, apaguei, letra por letra, saudade por […]

pulsos

e pulsaspulsas pulsaspulsas e não reconheço a ti. não reconheço a mim. quem ainda seriámos se … sim! se … se não tentássemos ser tão robóticos. tão animes. tão sãos. e insistimos. sim! porque por vezes, nos resta insistir por continuar os dias. atravessados, por lanças afiadas. engasgados, por espinhos. cansados, com o peso da […]

te reencontro nas linhas

te reencontro no meus escritos, mas não te procuro mais. te procurar, seria reconhecer que eu estava errada sobre mim, sobre nós, sobre tudo. reconhecer que eu talvez amasse mesmo você. reconhecer que eu acreditava mesmo no seu amor. reconhecer que ao dizer adeus, estava implorando: salva-me de mim! dizem por aí, que os escritores […]

o meu coração partiu

Como uma taça que escapou das mãos de alguém que se distraiu. Eu vi meu coração cair no chão e em milhões de pedacinhos se transformar. Você me soltou. Fiquei imóvel. Respirar parecia ser a coisa mais absurda a se fazer no mundo. A única partícula que se moveu em mim, foi a lágrima que […]

mitos

As coisas são o que são. E eu preciso aceitar isso. Eu preciso olhar pela janela de madrugada, e ao perder o meu olhar nas luzes acesas das casas que ainda não dormem, encontrar algum tipo de fôlego, de ânimo, de coragem. Era mais fácil quando eu ainda era menina – destemida, segura, confiante. Era […]

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.