a droga da saudade

Doe! E eu não posso fazer parar de doer, por mais que eu esteja madura o suficiente para entender, que não faz mais sentido algum deixar isso doer dentro de mim. Porém dói e como dói isso que parece saudade de você.

Ultimamente, tenho percebido que não é só sobre saudade de sempre, porque a saudade de sempre apesar de tudo.. ela é agridoce, até um tanto bom de provar, é aquilo que sentia nos primeiros sábados sozinha largada no sofá e o coração aspirava os teus braços para fazer de cobertor, enquanto assistia aquele filme clichê que a gente já sabia as falas de có e até deixávamos uma lágrima ou outro cair, mesmo já tendo assistido um milhão de vezes.

A saudade boa é aquilo que a gente sente quando não tem ninguém para comentar o filme ou alguém para fazer do carro karaoke rumo à um destino qualquer do mundo. Alguém que faz falta do outro lado da mesa de um cafeteria para dividir um pedaço de bolo de chocolate, coloca canela no cappuccino e limpa com um beijo leve o canto da boca suja com a espuma do leite.

Agora é diferente. É sobre uma saudade em nível hard. É a consciência que martela firme sem rodeios, sem meias palavras, sem dó e nem piedade dizendo com todas as letras que você não vai voltar. Que afirma séria que não é só um fim de semana que as agendas não coincidiram e não vamos conseguir nos ver. É uma certeza severa de que não haverá mais outas quartas, sábados, domingos compartilhadas ao teu lado.

Parece que a saudade amadurece e fica chata demais para cogitar uma ideia boba de te fazer uma surpresa no trabalho no meio da semana. Para te levar aquele chocolate meio amargo que você gosta, só para usar como desculpa para te roubar um beijo rápido dizendo sem muitas voltas o quanto o meu coração te ama! Essa convicção que não me permiti mais negociar nenhuma possibilidade de te encontrar em casa, quando volto depois de um dia pesado e tudo que meu corpo anseia são os seus braços para me acolher. Essa saudade que não me deixar ir ao teu apartamento para te dizer que está difícil, bem difícil seguir a vida sem você.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / Tressa Wixon)

3 comentários em “a droga da saudade

  1. “É uma certeza severa de que não haverá mais outros sábados, outros domingos, outras quartas compartilhadas ao teu lado.” Eu poderia ter escrito esta frase. Quartas, sábados e domingos eram os “nossos” dias. Saudade que corta.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s