foi por instinto

Eu ainda me pergunto o por quê.
Estar ali vulnerável a tudo que parecia ser mais seu do que nosso, era estranho. A sensação de sentir ser domada e temer ter a sua própria essência indomável destruída, me encorajou à fugir.

Agora mais sóbria e mais distante de tudo, afinal já se foram alguns meses que não sei absolutamente nada sobre ti. Eu posso finalmente dizer com mais calma, que foi o meu instinto de sobrevivência que me fez correr de você. Não há outra explicação lógica para tal. Sejamos francos, você me deu tudo, você foi o meu tudo e eu acreditei, profundamente, que eu seria tudo ao teu lado.

Não posso e nem quero nunca dizer que você me feriu, que tudo foi um erro e que me arrependo. Acredito inclusive que nos magoamos sem querer. Eu fui profundamente apaixonada e nunca duvidei do seu amor. Nós nos cuidamos em quanto pudemos fazê-lo. E ainda que nada posso ser dito para explicar de forma racional o nosso fim, até no fim nos amamos de forma única.

Ninguém me teve como você me teve. Ninguém chegou tão longe como você chegou na minha vida, na minha realidade, no meu corpo. Ninguém me viu chorar inconsolada, despida de toda e qualquer defesa como você me viu. Ninguém me colocou no colo, me aquietou e me fez dormir e ficou ali ao meu lado. Ninguém me manteve tanto tempo e por vezes sem fim vibrando, tremendo, suando na cama como você fez. Ninguém atendeu os meus desejos mais profundos como você. Ninguém me amou, me revirou tão intensamente como você.

Foi por puro instinto de sobrevivência que eu fugi de você. Você era tudo o que eu queria, até o dia que eu percebi que você tomaria de mim tudo o que eu seria. Por mais que eu também soubesse que este era o teu jeito de me amar.

Se eu pudesse escolher entre todos os homens um, este seria você. Entretanto, entre escolher ser a tua mulher e ser quem eu sonhei ser, eu escolhi perder você para não me perder de mim mesma. Talvez, isso seja fantasia da minha cabeça e nem faça sentido. No entanto, que sentido teria a minha vida se tivesse você e perdesse tudo que eu sou? Você ainda me amaria se eu deixasse todas as minhas verdades, sonhos, loucuras de lado? Será que eu poderia ser feliz sem elas? São perguntas que talvez nunca tenham respostas… e eu não estive disposta a arriscar.

A verdade é que até mesmo agora, meses depois de um fim doloroso, confuso, em que eu guerreie com todas as razões que diziam que sim e com todo o meu instinto que dizia que não. Eu ainda desejo profundamente correr para os teus braços e deles nunca mais sair e ao mesmo instante ainda temo ter as minhas asas cortadas e nunca mais poder voar. Te amar é como caminhar em cima de uma linha tênue entre a razão e a emoção.

Percebo que te amar, apesar de… não foi sequer um erro. O amor não erra, mesmo que aqueles que se sujeitam à ele, errem muitas vezes.

Sinto que o meu corpo, a minha alma e o meu coração se aquecem ao lembrar das nossas manhãs de preguiça, das nossas tardes em família, das nossas noites de amor. Que mesmo com toda a intensidade tudo era mesmo só nosso. Que se existem almas gêmeas, você é a minha. Que nosso encontro foi de corpo e alma, pena que não de sonhos, planos e de construir o mesmo caminho na vida que tínhamos.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / Pinterest)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s