medo de viver nessa morte mais um dia

Não tem como ficar mais triste do que eu já estou. Não tem como quebrar o que já está quebrado. Resta-me caminhar entre os cacos, destroços, entulhos e sobreviver a sobrevivência.

Até respirar cansa.

Até pensar dói.

Olho para o que ficou e quase considero tudo como um completo erro, engano, acaso. Torço para que alguém me sacuda na cama e me desperte desse pesadelo “é só um pesadelo, só um pesadelo”, seja quem for vai me dizer, segurando minha mão com uma das mãos e passando os dedos da outra mão no meu rosto para tirar o cabelo bagunçado da frente dos meus olhos; entretanto, isso nunca realmente acontece.

Pior do que crescer e constatar que Papai Noel, Coelho da Páscoa, Fada do Dente, Cegonhas e todas as fantasias, são fantasias, é constatar que a vida é um tipo de pesadelo que ninguém consegue nos acordar, por vezes, nem nos mesmos! E vivemos dias pós uma noite mal dormida, que nunca são suficientes para se recuperar.

O meu terapeuta batia no martelo toda quinta-feira, em algum momento entre às 15h e às 16h dizendo: “você tem que encarar a realidade”, e eu balançava a cabeça com o sinal de que entendia o que quer fosse que ele estava tentando me dizer e de que talvez, um dia, eu seguisse o seu conselho.

Então um dia eu segui o conselho e hoje, tenho vontade de voltar lá e mandar ele ir tomar no cu! (com respeito é claro!) mas porra, queria que eu acordasse para constatar que a vida é um pesadelo e que eu sei, que não existe a menor chance de eu escapar?

Verdade que destroçou o meu coração em pequenos pedacinhos. Cacos que cortam os meus pés, enquanto me arrasto pelos cômodos. Doe como um pedaço de pau enfiado entre as minhas costelas. Que a verdade seja dita, a maioria dos dias são uma grande merda. E a maioria das pessoas fedem igual. Vivemos por puro automatismo de sobreviver a própria sobrevivência.

Só então entendi o que dizem por aí que, o que os olhos não veem o coração não sente. Eu vejo. Meu coração sente. Meu estômago sente. Meu fígado, meu rim, meu útero, minhas juntas, meus ossos… sentem. Superou até a dor de bater o dedinho do pé na quina do sofá e eu jurava que aquela dor era a pior de todas!

Beira a ser inacreditável. Coisas que são indizíveis. Doem tanto que entorpecem até a dor (perceba aqui redundância e filhaputagem em uma frase só). Me doeu tanto por tantos dias seguidos que já não sinto nada. Eis aqui a maior de todas as dores, a mutação de um ser que sentia tudo, para um ser incapaz de sentir qualquer coisa.

A vida é curta para viver sofrendo, mas sofro.

A vida é curta para amar, mas amo.

Não tenho medo de morrer, tenho medo de continuar vivendo nessa morte mais um dia.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / We Heart It)

3 comentários em “medo de viver nessa morte mais um dia

Deixe uma resposta para Fabio Ottolini Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s