promessas

tudo o que eu não preciso é de mais uma promessa tua.

prometer (segundo o dicionário): verbo transitivo direto. obrigar-se verbalmente ou por escrito. comprometer-se. e tu nunca, nunca fostes capaz de obrigar-se a fazer o que prometias. a se comprometer.

colecionei promessas tuas. guardei todas como prova de que não era eu quem as inventava. todas claramente assinadas por você. hoje sei que a tua palavra não vale um escrito. tua assinatura vale menos ainda.

acreditei o quanto pude, porque acreditar em você prolongava os dias de vida dessa história de … ia dizer amor, mas acho que está mais para uma história de espera. algumas histórias de amor são somente uma história de espera.

esperei que viesse muitos dias. me arrumava toda e sentava no sofá. checava até se a campainha estava mesmo funcionando. sempre estava. mas você nunca chegava para tocá-la. esperei muitas noites por ligações tuas. testava o sinal da operadora. ignorava todas as outras ligações. o relógio indiferente aos meus sentimentos de espera, apressava-se: 22:50; 23:00; 00:11; 01:00; 02:48; 03:00; 03:03; 05:59… e nada.

esperei pelos dias que quando juntos você fizesse valer por todos os outros que não foram. te imaginava olhando nos meus olhos e dizendo as palavras que eu tanto esperava ouvir. tocando com o sentimento o meu coração e não só com as mãos o meu corpo. derretendo a minha alma e não só entre as minhas pernas. mas ai entendi que tudo não se passava disso: da urgência do corpo.

esperava por amor. tu só podia me dar a concupiscência. tuas promessas não passavam de argumentos e estratégias. minha espera era completamente inútil. diria que você é a minha maior decepção. mas nem para ser maior em algo na minha vida você serve. você é o que eu já sabia o que você era. mas esperava que fosse diferente. você fez o que eu já sabia que você faria. mas esperei que fizesse diferente.

o maior equívoco: é esperar que alguém seja maior ou melhor do que ele é por você ou pelo o que quer que seja. ninguém muda por ninguém ou por nada. só somos capazes de mudar por nós mesmos. quando o modo que somos deixa de fazer sentido dentro de nós.

entendi, que eu esperava que você fosse o que eu queria e não quem você realmente é. as tuas promessas não tem peso dentro da minha expectativa. não impactam. não iluminam. a tua estada por aqui é passageira. um rompante de frenesi. é como embriagar-se, entorpecer-se, enlouquecer durante uma (somente uma) madrugada. quando o novo dia chega, resta a ressaca. nada além disso. nada mais que isso.

cansei das promessas. porque tu vens para o corpo e não para a alma. cansei das juras improváveis. porque vens para fazer o que é provável, óbvio, praticável. ao menos agora, estamos lendo a mesma página do livro. alinhados pela mesma ambição.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / Anna Mahaffey)

Um comentário em “promessas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s