Como lidar?

A verdade esplanada mesmo, é que nós não sabemos lidar. E temos um medo de cão de assumir que não sabemos lidar.

Por vezes, ou somos o oito ou o oitenta; escolhemos o silêncio ou as palavras que só são pronunciadas aos berros; a porta fechada ao som de trovão ou a fuga pelas ruas desconhecidas do acaso. Quase nunca queremos encarar os estragos, os olhos, o espelho. Quase sempre ignoramos a queimação, o latejar, o peso, tentando esquecer. Raramente esquecemos.

Eu não soube lidar com você. Com a gente. Acho também que você não soube lidar comigo. Tentamos, ao menos tentamos e isso ninguém nunca vai poder tirar de nós – nós tentamos dar certo!

A vida é tão mais permeada de tentativas, ainda que a maioria delas sejam dadas ao fracasso. Às vezes, pego-me acusando o reflexo no espelho de que fracassei contigo, conosco. Talvez, eu tenha mesmo fracassado, mas o que isso importa agora? Se não para trazer à luz da consciência os meus erros para que eu não os cometa outra vez.

Tantas vezes nos faltou paciência, muito mais minha do que sua, é verdade. Ou sei lá, mais sua do que minha, pois sabemos, eu sou difícil de lidar em diversos pontos. Meu silêncio, te incomodava mais do que eu interromper os teus jogos de quarta. Minha independência, mais do que qualquer outros olhos me olhando. Coisas, que por tantas vezes eu quis mudar em mim, mas não podia, não conseguia. Também não soube lidar com as suas necessidades, com teu jeito de tentar me fazer mudar de ideia, não soube lidar com os gritos…

Acho que no fundo, a gente desisti quando não sabe lidar. Eu desisti e de todas as minhas desistência, essa me custou muito das minhas esperanças de futuro, de felicidade e de amor.

Desistir de ti, foi o mesmo que desisti de uma parte boa de mim também. Considero, que é inevitável não perdermos uma parte de nós quando perdemos alguém, que acreditamos ser o amor da nossa vida. Você era o amor da minha vida. E talvez, ainda seja. Só é assustador compreender também, que esse não é o amor que eu consigo suportar, que eu queira pra mim, por mais que eu ainda te queira tanto por tantos outros motivos.

Desistir de você foi uma das coisas mais dolorosas que fiz na minha vida. Pode até ser que haja outras coisas que me parta ao meio assim. Espero que não, mas finalmente ando mais realista, mais fria, menos romântica como você tanto me cobrava, “é a vida…” – ouço tua voz (saudade da tua voz) sussurrando no meio das lembranças que restaram, “…você precisa se conformar”… lágrimas regam mais uma vez meus lábios entre abertos, procurando um jeito de te dizer o que já não posso mais te dizer.

Eu estou tentando amor. Juro, que estou tentando me conformar que tinha que ser assim.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / Pinterest)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s