eu nunca acreditei que você fosse ser capaz

eu nunca acreditei que você fosse ser capaz. CAPAZ! e você foi capaz de fazer as coisas que você fez comigo.

coisas que dói só de pensar e que ainda não encontrei palavras no vocabulário para descrever.

às vezes, a âncora que nos mantém firmes em um lugar e não nos deixa ir avante, é duvidar.

duvidar que podemos. duvidar que merecemos. duvidar que suportamos. duvidar que somos capazes. duvidar que as pessoas possam ser diferentes. e são justamente essas dúvidas que nos emperra diante de possibilidades, de portas abertas, de criar intimidade e vínculos com outras pessoas. de viver!

e às vezes, é justamente o contrário disso que nos crava o peito como uma adaga enfiada por trás no meio das costas.

ACREDITE! (… há para tudo em diferentes outdoors por aí)

você faz ideia do quanto eu me esforcei para acreditar que você era diferente?

existe uma linha que divide as pessoas que acreditam nas outras pessoas porque as amam, e nas pessoas que acreditam, porque precisam do amor dessas pessoas.

na primeira vez em que eu acreditei em você, era porque eu te amava. e quando a gente ama, suponho, que não colocamos a prova a palavra dessa pessoa que também diz que nos ama.

você dizia que me amava. você dizia que seríamos felizes. você dizia que teríamos um ao outro ainda que tudo nos faltasse. e eu nunca duvidei!

na segunda vez, eu acreditei em você porque quando você se foi, assim, sem muito mais e nem muito menos, senti que não tinha mais o suficiente para viver. e talvez, não tivesse mesmo. sentia que meu coração estava sufocado demais para resistir sozinho. acreditei em você, porque precisava do seu amor para respirar como antes de novo.

ambas as vezes, escolhi crer naquilo que julguei ser verdade nos seus olhos. no seu toque. no seus beijos. no seu jeito de entrar no meu mundo e dominá-lo. (ingênua que fui!)

você faz ideia do quanto eu me esforcei para acreditar que você não faria de novo?

penso, que nunca se deve desconfiar da capacidade de alguém de ferir outro alguém. (e eu odeio escrever afirmações que desconstroem o que levei anos para construir).

você me desconstruiu. e o que mais me dói, é saber que eu deixei que refizesse isso comigo.

te ver partir na primeira custou quase a minha vida. foi verdadeiramente duro reaprender a viver sem você. mais que isso, acreditar que eu daria conta de lidar com o vazio da rotina, da casa, da cama.

voce faz ideia de quantas vezes vasculhei os lençóis de madrugada afim de te encontrar?

te ver partir pela segunda vez, não está me custando a vida. dessa vez, me custa a minha dignidade. a honra da minha palavra. a minha defesa. e definitivamente, eu ainda não sei dizer o que foi pior.

você dói por dentro, e eu nunca acreditei que você fosse ser capaz de ser dor em mim.

Por: Francielle Santos

(Foto: The Reader)

3 comentários em “eu nunca acreditei que você fosse ser capaz

  1. É bem assim, com toda essa intensidade ;( e como dói, putz!!!! que foda!!!

    Você escreveu justamente como me sinto neste momento “me custa a minha dignidade. a honra da minha palavra. a minha defesa. e definitivamente, eu ainda não sei dizer o que foi pior”.

    Apesar de tanta dor que nos causaram, desejo que a gente não desacredite do amor.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s