#30

procuro o teu aroma nos cheiros

salivo o teu gosto nos sabores 

ambiciono o calor do teu peito, no gélido travesseiro.

amo-te, ainda que tudo 

já não te percebo como antes

careço-te, porque tudo ainda és.

agarro-me nas certezas de quem somos

para não te perder no que ainda não somos. 

a tua vida está marcada na minha. 

o nosso amor ainda é poesia que recito no chuveiro

a tua voz, é o som que ecoa nos meus versos

os nossos sonhos são o oxigênio nos meus dias.

navego nas profundezas em busca de recuperar-me

descubro as minhas feridas, para estancá-las.

não mais escondo dos olhos de quem me vê quem sou 

para que me reconheças quando me encontrares de novo.

não espero que me ames porque tudo 

não espero que me ames porque éramos

espero que me ames porque sou o que sou 

pois é o que sou, tudo o que tenho. 

quando nada mais houver por aqui, 

que reste as palavras, as vírgulas, os pontos.

quando eu nada mais ser,

que reste os contos, as marcas, o meu amor por você.

Por: Francielle Santos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s