Não te posso escapar

Eu fugia da nossa verdade. Era preciso. Eu tinha pavor do que estremecia o meu corpo inteiro. Agitava todas as minhas entranhas. Achegar-me a ti é visceral! (e você sabe disso)

Não pude escapar dos versos que me levaram até a tua intimidade. Não pude escapar do calor que subiu pelas minhas pernas, todas as vezes que você chegou perto – tão perto, que sentia tuas mãos navegando-me. Não pude escapar do teu querer… (e ainda não posso)

Te querer assim, desse jeito absurdo, beira a loucura. É desejar o impossível. Querer atravessar o pacífico. Pegar o primeiro voo de São Paulo ao Rio, dizer a moça no checking que eu tenho pressa, atravessar a ponte feito louca… Há noites que o não te alcançar do outro lado me dilacera! (e voce sente, não sente?)

Cada dia a mais de nós, dói a tua distância. Cada palavra dita dentre as horas que ficamos ao telefone, me seca de tanta sede que tenho dos teus lábios misturados aos meus. Percebes, eu estou completamente perdida no querer, querer e eu quero tudo com você!

Não te posso escapar, porque eu te amo!

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / jess)

2 comentários em “Não te posso escapar

Deixe uma resposta para Mauro Garcia Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s