#38

e se você
me quebrar
me transpassar

e se eu
te ferir
te rasgar

e se somos
destruição, irreverência
intolerância, caos

e se tudo
ruir, ceder
esfriar

e se nada
for real
for palpável

e se esquecermos
quem somos
quem planejamos ser

e se afogarmos
na paixão
na prostração

e se a fome de vida
queimar, matar
definhar, arder

e se as horas, como areia
nos escampam pelos dedos
sopradas, desaparecem

e se o hoje
ainda parecer ser
o incerto amanhã

e se

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / zedge)



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s