Como eu devo te amar?

Como eu devo te amar?
tu me perguntas nas entrelinhas das mil e uma incertezas que tens sobre o que sinto.
Buscas em nós algum tipo de refúgio, de lar, depois de tantas casas em que não pode ficar, e como eu sei disso? 
Sei, porque no fundo é tudo o que também tento saber. Procuro nas sombras do que declaramos, onde posso pisar e não cair, onde posso confiar. 

Sou aquela que se entregaria corajosamente, entretanto, sinto- me apreensiva em caminhar no escuro das incertezas do amanhã.  

Quando devo confessar que te amo, 
você lamenta entre um gosto de você, a tua companhia me faz bem durante os dias, até logo… eu suspiro do lado de cá. 
A minha razão se queixa como se precisasse de mais tempo, mais certezas, mais de você para se permitir invadir pelo óbvio, pelo suficiente. 

O meu coração murmura: eu te amo
tentando me convencer de que estou viva, de que ainda há lenha na fogueira e que ela queima por dentro, de que mereço o teu amor, de que mereço te amar e
eu te amo, 
ainda que nada seja revelado entre as centelhas que sobem ao céu.

Apesar de querer, tenho ainda os pés nos freios – tenho medo,
mesmo estando com o motor da Ferrari ligado na pista. Provavelmente, eu ame o princípio da adrenalina e você ame a Ferrari.

Por: Francielle Santos

(Foto: Reprodução / Chasing Daisies)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s