Ansiedade

É como se nada mais fosse ser possível e mesmo assim resistissem.
É como se tudo nos exigisse mutação, quando na verdade nada podemos alterar no DNA.
É sobre as coisas para as quais ainda não temos respostas, justificativas, palavras e continuássemos insistindo por redenção.
É sobre o que já foi e não mudará, jamais!
É como se pisasse em terra firme, quando abaixo dos nossos pés só há rios.
É como se o silêncio da madrugada revelasse segredos, quando na verdade nada diz.
É como se ainda esperássemos algum tipo de redenção pelo o que ainda vamos cometer – e se ainda vamos cometer, nada ainda existe: nem erros, nem fracassos, nem perdas e nem absolvição.
É como se vivêssemos à beira de transformar o caos do mundo, com o nosso mundo inteiro aos destroços.
É como se não existíssemos mais nessa realidade e ainda assim, esperássemos monumentos em parques privados da cidade.
É sobre o que pensamos que podemos ser em um tempo que ainda não existe.

Por: Francielle Santos

(Foto: Alternative Apparel)

4 comentários em “Ansiedade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s