26º dia – o ideal

O ideal seria
se não houvesse perigo
nem lá fora
e nem aqui dentro.
O ideal seria
se pudéssemos ser
o que queremos ser
ou fazer
o que queremos fazer
sem tantos embaraços.
O ideal seria
sorrir todo dia,
se não estampado no rosto,
ao menos
estampado em algum canto
da barriga.
O ideal seria
se fossemos felizes –
e felizes,
apesar das faltas,
das perdas,
das incredulidades,
das certezas,
das pessoas,
dos objetos –
simplesmente felizes.
O ideal seria se amassemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s