#78

Dedilho as tuas nuances
Incontáveis vezes tenho sido prolixa ao dizer
Coisas que são tuas, somente tuas.
Exteriorizo as tuas faces
Desfaço os tecidos que te vestem
Fria, calculista e egoísta
Pois de você eu preciso de tudo
Tudo para viver.
E toco-te
E caminho a passos curtos e convictos
Por tudo o que você é.
Não procuro justificar os meus feitos
Nem as abomináveis intenções que os sustentam
Tudo o que ainda busco em ti.
Ainda espero de ti.
Já não importa quem fomos
Tão pouco quem poderíamos ser.
Te preciso
Para sentir-me um pouco viva
Ao menos um pouco viva.

Não, não é amor.
É dor.
Você é dor aqui.

Por: Francielle Santos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s