um ano

um ano

um ano. e tudo ainda dói cruelmente por dentro. consome o meu corpo inteiro. destrói a minha capacidade de acreditar no amanhã como antes. evitei por meses prestar atenção no calendário, no relógio no pulso - não queria me dar conta do tempo passando depressa e eu ficando para trás. me tranquei no quarto. nunca [...]

dor

dor

sinto dores em lugares que nem pensei que podia sentir alguma coisa. a dor que me apequena, lembra-me como sou vulnerável, sensível, reduzi-me a nada. a dor na qual em grau nenhum posso fazer alguma coisa, a não ser sentir. a dor que fica e apresenta-me. a dor que destrói e refaz cada uma das [...]

adeus

adeus

como encontrar um jeito de dizer adeus? reviro anotações. folheio cadernos, livros, dicionários. me ponho do avesso e não encontro uma combinação de sílabas sequer que eu possa recitar. há meses me preparo para partir. dessa vez uma ida sem volta. reservei um dia para sentar e escrever as cartas, os bilhetes e e-mails. mas [...]

destruição

destruição

há coisas que destroem. há momentos que destroem. há dias inteiros que destroem. há decisões que destroem. há faltas que destroem. há pessoas que destroem (principalmente as que amamos mais). não dá para saber exatamente como vai acontecer, o porquê, com quem. mas acontece e na maior parte das vezes nos pega desprevenido; de calça [...]

chuva

chuva

estive dias incontáveis sem falar. sem conseguir escrever coisas indizíveis. me senti abandonada pelos meus discursos todos. tudo o que tinha me sobrado (palavras) pareciam fugir de mim. se perder dentro da imensidão da minha dor. letra a letra afogando-se no oceano de lágrimas. as lágrimas que também não vinham. não se permitiam sair. dias [...]

casa

casa

sempre quando penso em casa, eu penso no maR(io). por muitos dias eu tentei explicar a dualidade entre a personalidade das minhas raízes x a personalidade da minha essência. uma vez eu sonhei que tinha cauda – como uma sereia. também tinha asas – como a Malévola (e acredite, eu já tinha mais de 24 [...]

caminho

caminho

sigo na estrada à frente. tenho vontade chorar, mas não choro. carece-me lágrimas. tudo o que sobrou, não pesa como antes, mesmo tornando pesada a vida que espera-me a passos curtos. não sei mais o que será. seja o que for, vai ser, eu querendo ou não. aprendi ou aceitei ou ambos, finalmente. me decepciona [...]

de repente 15

de repente 15

A inquietação, às urgências. A sensação de rebeldia. Atitudes e decisões sem a menor noção de responsabilidade. A vontade absurda de fazer imbecilidades, de subir pelas paredes todas. Crateras, digo, espinhas dolorosas aleatórias que nunca tive nascendo na minha pele (graças a Deus, que pelo menos são nas costas). Meu Deus, eu-estou-adolescendo, aborrecendo, enlouquecendo… A [...]

a menor chance

a menor chance

— você tem que aceitar que não tem a menor chance Cochichei para mim mesma às quase sete da manhã, quando finalmente o sono parecia chegar na minha cama. Não era nem meio dia e meu pai bateu na porta perguntando se eu queria ir almoçar na casa do meu primo, que não vejo nem [...]

o que eu quero tem nome

o que eu quero tem nome

A cada viagem é como se eu estivesse conseguindo escapar do poço, estivesse correndo mata adentro em busca de uma vida nova depois da colina, para encontrar dias novos, pessoas novas, sensações novas... uma felicidade nova. Pessoas normais desejam esquecer. Eu desejo ser esquecida pelas pessoas, ser invisível na memória como já me tornei em [...]