#67

duas e quarenta e oito da manhãsubo as escadasa neblina veste o silêncio da cidadehá paz nas casasconvenço-meacendo um cigarro desce uma lágrimaacendo o segundoseco a mesma lágrima paralisadana face que nada mais diznada mais sentenada mais é